Postagens

Câmara alivia dívida de ruralistas enquanto discute a reforma da Previdência

A proposta que renegocia as dívidas dos produtores rurais foi concluída na noite de ontem (12), mas em meio a um clima ruim de embates e denúncias, que terminou mostrando a fragilidade da base aliada do governo e, principalmente, da bancada ruralista. Os deputados governistas rejeitaram sete emendas da oposição que pretendiam alterar o texto, mas mesmo assim, enfrentaram dificuldades e muitos admitiram que a matéria poderia ter votação adiada.

Os temas que imperaram nos discursos foram críticas à reforma da Previdência, à anistia a ser concedida a grandes devedores pelo governo com esse projeto (que terá impacto de perto de R$ 18 bilhões para os cofres da União) e denúncias de que vários empresários aproveitaram para fazer lobby junto aos parlamentares dentro do plenário da Câmara.

Parte desse ambiente se dá porque os oposicionistas estão obstruindo todas as votações ao longo da semana, em protesto contra a apreciação da reforma. Eles já anunciaram que não pretendem abrir exceção, nem…

CPI da Previdência reforçou que o "rombo" é uma farsa

Imagem
Não se trata de uma constatação nova. No âmbito do movimento sindical os trabalhadores estão "carecas de saber" (e denunciar) que não existe rombo na Previdência. A novidade agora é uma nova comprovação, desta vez num relatório aprovado, por unanimidade, na CPI da Previdência, em 25/10/2017. Este documento também foi entregue ao SINASEFE durante o Seminário de Carreira. "Não é admissível qualquer discussão sobre a ocorrência de eventual déficit ou necessidade suplementar de financiamento sem a prévia correção das distorções afetas ao financiamento" afirma no documento o relator Hélio José (PROS-DF). Confira destaques do texto a seguir e/ ou baixe aqui a íntegra.

Destaques

Agência Senado preparou um resumocom destaques do relatório da CPI da Previdência, confira:

Estimativas falhas

Estimativas que serviram de base para a proposta de reforma em tramitação no Congresso têm erros e imprecisões. Tomou como base um ano de forte recessão e parâmetros irrealistas, delineand…

Recesso da Assessoria Jurídica do Sinasefe-IFSul

Imagem
Em sintonia com o calendário da Justiça Federal, Cível e do Trabalho, a Assessoria Jurídica do Sinasefe-IFSul informa que estará em recesso no período de 20/12/2017 a 20/01/2018, não havendo neste período atendimento na sede do escritório ou no plantão regular.
Durante o recesso o escritório atenderá apenas situações de emergência, assim consideradas as que impliquem risco de perecimento de direito, a critério do advogado. Informações processuais e agendamento de consultas serão retomadas após o recesso. O atendimento emergencial será prestado por meio do celular do plantão, no período das 09h às 15h. (fone 53-981291465).

NOTA DE ESCLARECIMENTO

A Seção Sindical IFSul do SINASEFE vem informar aos membros de sua base sindical, incluindo os gestores de nossa instituição, que o exercício do direito de greve no serviço público é garantido por nossa constituição, a qual preceitua que “o direito de greve será exercido nos termos e nos limites definidos em lei específica”(art. 37, inciso VII, CF/1988). A lei referida pela norma constitucional até hoje não foi editada pelo Congresso Nacional. Em face dessa lacuna o STF mandou aplicar ao serviço público a lei que rege a greve no setor privado (Lei 7.783/1989). Esta lei, em seu artigo primeiro, repete o artigo nono da constituição. Desta forma, “é assegurado o direito de greve, competindo aos trabalhadores decidir sobre a oportunidade de exercê-lo e sobre os interesses que devam por meio dele defender.” Além disso, a mesma lei informa que “caberá à entidade sindical correspondente convocar, na forma do seu estatuto, assembléia geral que definirá as reivindicações da categoria e delibe…

Intensificar as lutas contra a Reforma da Previdência

Realizada neste último final de semana (de 8 a 10/12), em São Paulo, reunião da Coordenação Nacional da CSP-Conlutas aprovou resolução para intensificar as lutas contra a Reforma da Previdência. O SINASEFE esteve representado nesta atividade por dirigentes nacionais e militantes de diversas Seções Sindicais. Dentre as ações previstas para intensificar a mobilização está a realização de um dia de lutas nesta quarta-feira (13/12) e a indicação para que entidades e movimentos articulem plenárias/assembleias/reuniões unitárias para aprovar a greve no dia 18/12/2017, data provável de votação da Reforma.

Greve Geral para derrotar a Reforma da Previdência: se colocar pra votar, vamos parar!

O governo Temer está disposto a atender aos pedidos do empresariado e aprovar a Reforma da Previdência antes de fechar o ano de 2017. Apesar das dificuldades para angariar votos favoráveis à aprovação, o governo ganhou um fôlego com o recuo da greve nacional de 5 de dezembro e está em forte toma lá dá cá c…

Agenda 2018: Encontro de Mulheres será realizado em março

Imagem
“Por um sindicato classista e sem opressões!” este foi o tema escolhido para o Encontro Nacional de Mulheres do SINASEFE. Prevista para o mês de março de 2018, com data ainda a definir, a atividade será exclusiva para mulheres e realizada em Brasília-DF. Os detalhes foram definidos no sábado (02/12) durante reunião da Comissão Organizadora do evento, composta por mulheres da Direção Nacional e das bases do sindicato.

O grupo também elaborou uma proposta de programação e aprovou a identidade visual do evento. Como as demais atividades do SINASEFE, o Encontro de Mulheres terá o serviço de creche/cuidadores para comodidade das crianças que acompanharem as participantes.

Programação

Durante três dias de evento (noite de sexta-feira, sábado e domingo), serão realizadas três mesas de debates, apresentações artísticas, grupos de trabalho e uma plenária final.

Sexta-feira

Início: 17h
Apresentação artística
Mesa de abertura: Conjuntura Nacional e atuação política e sindical das mulheres
Sarau a…

Desmonte dos bancos públicos ameaça toda a economia

A Câmara dos Deputados debateu, nesta terça-feira (5), em comissão especial, os impactos da reestruturação dos bancos públicos na economia brasileira – o governo de Michel Temer promove a venda e o sucateamento das instituições financeiras estatais.

Segundo o deputado Daniel Almeida (PCdoB-BA), autor do requerimento para realização do debate, a questão central é discutir a defesa da soberania nacional. "Já entregaram os bancos regionais. Estas instituições (públicas, especialmente Banco do Brasil, BNDES e Caixa Econômica Federal, mas também os bancos estaduais) estão sendo anunciadas como parte de um processo de reestruturação do sistema financeiro brasileiro. Como pensar a indústria sem o BNDES? É o esvaziamento das instituições públicas do país. Não aceitamos a privatização dos bancos públicos", declarou.

O parlamentar criticou a chamada reestruturação, que está levando as instituições ao sucateamento, em vez de às respectivas recuperações.  "Nós temos o dever de lega…