quarta-feira, 29 de julho de 2015

A LUTA CONTINUA

A greve do SINASEFE, em nível nacional, completa 17 dias e o quadro abaixo mostra a evolução na construção do movimento paredista. Estamos num momento de tensionamento com o Governo, buscando uma qualidade nos serviços prestados e dignidade para os servidores técnicos-administrativos e docentes, ativos, aposentados e pensionistas.
A luta tem de continuar. Só a solidariedade poderá levar o movimento grevista a obter conquistas e manter outras que estão em perigo de perdermos. Veja o quadro.

QUADRO DA CONSTRUÇÃO DA GREVE:
NÚMEROS
16/7
17/7
18/7
20/7
24/7
27/7
28/7
29/7
ESTADOS
13
13
13
18
17
19
20
21
SEÇÕES
19
20
21
21
30
30
33
40
CÂMPUS/REITORIAS
94
87
92
108
146
169
172
183

Quarta-feira foi de forte mobilização da Greve do Sinasefe-IFSul

A quarta-feira (29) foi mais um dia de forte mobilização da Greve do Sinasefe-IFSul. As atividades iniciaram às 9h, com mobilização de dezenas de sindicalizados em frente ao campus Pelotas. Com bandeiras, faixas, adesivos e camisetas, os servidores conversaram com todos que que passavam pelo campus e distribuíram materiais da mobilização para os colegas.

Ao meio dia, foi oferecido um almoço de confraternização da Greve, no CTG do campus. Após o almoço, o grupo retornou para a frente do prédio, onde foi realizada a primeira mateada da Greve 2015. 

Nesta quinta-feira (30) a mobilização será no campus Visconde da Graça. As atividades iniciam às 9h com ato em frente ao campus e ao meio dia ocorrerá mais um almoço da Greve. Para a manhã de sexta-feira, está marcado um ato na Reitoria/PROGEP e durante a tarde será realizada a terceira reunião do Comando Local de Greve.

terça-feira, 28 de julho de 2015

Despesas com participação em eventos e encontros - 2015

DESPESAS COM VIAGENS - ANO 2015
MES/ANO
PASSAGENS
DIARIAS
HOSPEDAGENS
DESLOCAM
TOTAL





FEV
-
1.254,00
-
12,00
1.266,00
MAR
49.118,10
11.001,60
-
9.406,57
69.526,27
ABR
66.602,73
7.488,00
4.590,00
8.221,29
86.902,02
MAI
2.010,90
2.513,10
-
88,65
4.612,65
JUN
5.661,07
8.288,30
9.987,00
3.887,90
27.824,27
TOTAL
123.392,80
30.545,00
30.053,70
21.616,41
190.131,21

Fev/15 – Ref diária p Marco Antonio L Silva – Plena
Mar/15 – Plenaria Brasilia – Hernani Neto, Marco A l Silva

Congresso - João Pessoa PB – Marlene Neves Lhulier , Jussara Pereira,  Marines aldeia Santos, Carolina V Rodrigues, Ruti A B Oliveira,  Juliano R. Petersen, Rosimeri  A Vitoria,  Rejane M A Ribeiro, Franco A Dariz, Mauro C. Martin, Natali Cardoso, Rogério Guimarães , Adilson Braga Borges, Paulo M Soares, Vitor Gonçalves Dias, Marilia L da S Monteiro, Romulo D paulsen,  Felipe Contebel, Tatiane Volcan e Paulo R Fagundes .

Abril/15-  
Porto Seguro  BA-  Alex P Garcia, Hernani C Neto, Itamar L Hames, Claudia B da Silva, Maria L Monteiro, Vitor Gonçalves Dias,  Luis Artur Pereira,  Idilio M B Vitoria,  Maximiano G Neves,  Rebeca Fiss,  Marta Helena Bandeira,   Ana Paula Vaz  Albano, Franco A Dariz,  Nei Jairo Santos,  Daniel Pezzi Cunha  e Emerson R Rodrigues.
Maio/15  -  Sapucaia – Julio Cesar  Ruzicki
                     Brasilia  -  Paulo Martins Soares  e Rogério Guimaraes
                    Campus  -   Ruti Angela B Oliveira,  Mauro C Martin,  Ana Paula Albano, Nei  Jairo Santos e Itamar L Hammes.
Junho/15 -  Brasilia –  Rejane  R Neves,  Claudia Silva,  Paulo M Soares e  Rogério C Guimaraes.
Rio Sul SC – Claudia Barreto Silva,  Mariane Santos,  Franco A Dariz,  Adilson Braga Borges,  Gilberto Pedroso,  Ruti Angelia Oliveira,  Rejane Maria Almeida Ribeiro,  Caciane Barbosa Mesko ,   Paulo Martins Soares,  Luis Artur B Pereira,  Tania W Lisbosa,  Diogo Soares Bica,  Francilon Lima Soares,   Marlene Neves Lulhier, Walter JR,  e  Letícia Santos Silva.                        

      
PLANILHA DAS PRINCIPAIS DESPESAS DE VIAGENS
ANO 2015
MÊS /ANO
DESTINO
DIARIAS
PASSAGENS
ESTADIAS
DESLOCAM
TOTAL
25/03/15
J PESSOA
9.928,80
41.871,00
 -
7.646,61
59.446,41
18/04/15
P SEGURO
7.488.00
66.518,78
4.590,00
8.000,00
86.596,78
17/06/15
RIO SUL
6.630,00
4.954,60
6.192,00
3.400,00
21.176,60
TOTAL

24.046,80
113.344,38
10.782,00
19.046,61
167.219,79




      

Assembleia adere à Greve no campus Santana do Livramento

A semana do Sinasefe-IFSul iniciou com visita ao campus Santana do Livramento, nesta segunda-feira (27). Diretores e membros do Comando Local de Greve foram ao campus participar da assembleia local que teve, como ponto principal de pauta, a avaliação do movimento grevista no campus.
        A assembleia teve início com a fala dos coordenadores de ação do Sinasefe-IFSul, Maria Lúcia Monteiro e Rogério Guimarães, sobre a conjuntura nacional, a situação das negociações e o avanço da greve no país. Rogério destacou a importância do avanço da greve para tencionar o governo e conquistar algum avanço nas negociações. Lúcia falou da importância do movimento paredista, como a única possiblidade de negociação para a categoria, que ainda luta por uma data-base.
      Os representantes de base do campus, que vêm participado ativamente da mobilização na Seção Sindical, falaram sobre o cenário local e os principais motivos da categoria para aderir ao movimento. Eles destacam o cenário de decadência dos novos campus, que começam a sentir os efeitos do corte de 9,5 bilhões no orçamento da educação.
      Após diversas manifestações, a mesa colocou em votação a proposta da mesa de construir um consenso sobre a Greve no campus e, por ampla maioria, os servidores aprovaram a adesão ao movimento paredista. Após a votação, a mesa abriu inscrições para a composição de um Comando Local de Greve e de uma Comissão de Ética para o campus. A Greve no campus inicia, oficialmente, na quinta-feira (30).

domingo, 26 de julho de 2015

RESUMO DAS NEGOCIAÇÕES COM O GOVERNO

PROPOSTA DO GOVERNO:
Entenda porque estamos nas ruas! O governo apresentou, no dia 25 de junho, uma tímida proposta de reposição salarial, que nem de longe atende a reivindicação de 27,3% da categoria. A proposta, que atinge um total acumulado de 21,3%, divide-se em quatro anos, com reajustes de 5,5% em 2016, 5% em 2017, 4,75% em 2018 e 4,5% em 2019. Em 28 de junho, na segunda Reunião Ampliada dos Servidores Federais em 2015, a possível reposição (que sequer cobriria a inflação do período) foi rejeitada e, desde então, os servidores seguem na luta para que o governo reformule os percentuais propostos, inclusive sem a divisão plurianual.

REUNIÃO COM FÓRUM DAS ENTIDADES DOS SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS:
 Na reunião de segunda-feira (20/07), o governo apresentou sua segunda proposta aos SPFs, em resposta a Campanha Salarial Unificada 2015. Em resumo, a proposição manteve a reposição parcelada de 21,3%, em quatro anos, anteriormente rejeitada pelos SPFs, e apresentou novas propostas de reajuste em benefícios condicionadas à aceitação da primeira proposição (reajuste plurianual).
Os valores dos benefícios, de acordo com a nova proposta, entrariam em vigor em 2016, da seguinte forma: 26% a 28% nos auxílios alimentação e saúde e 317% no auxílio pré-escola, que não é aumentado há dez anos.
Esta nova proposta do governo, analisada no Fórum das Entidades dos Servidores Públicos Federais foi rejeitada. Assim, o único acordo firmado na mesa é de realização de uma nova reunião na próxima semana, ainda sem data definida.

REUNIÃO SOBRE A PAUTA DOS DOCENTES FEDERAIS:
 Realizada na quarta-feira (22/07), a reunião setorial entre governo e entidades do segmento docente não teve avanços significativos nos pontos da pauta de reivindicações. A estratégia governamental foi de reapresentar, como proposta setorial, as proposições já conhecidas pelos SPFs (reajuste parcelado em quatro anos e pequenas adições dos benefícios). Várias vezes o secretário Sérgio Mendonça reafirmou que a possibilidade de negociação estaria restrita às pautas com baixíssimo ou nenhum impacto financeiro. Durante as diversas inscrições das entidades classistas, Andes-SN e SINASEFE, foi reafirmada a negativa da proposta de reajuste parcelado em quatro anos. Destacou-se também a denúncia da contradição que os atuais cortes ao orçamento da educação representam.


REUNIÃO SOBRE A PAUTA DOS TÉCNICOS-ADMINISTRATIVOS:
 O último encontro com o governo desta semana, realizado na quinta-feira (23/07), também teve a repetição da proposta apresentada na segunda-feira (20/07). A reunião teve a presença de representantes da FASUBRA, SINASEFE, MPOG e MEC. Alguns dos pontos debatidos na ocasião foram: um cronograma deve ser definido pelo MPOG até a próxima terça-feira (28/07) para avaliação mais completa da pauta dos TAEs, seis mil vagas para qualificação serão ofertadas pelo Pronatec aos servidores públicos e uma discussão sobre concepção de carreira seria aberta. Sobre a flexibilização da jornada de trabalho dos TAEs, em 30 horas semanais, o MPOG sugeriu elaborar texto equivalente ao da Portaria nº 260/2014 do Ministério da Saúde, em uma comissão formada pelo governo e entidades classistas.

REUNIÃO COM O GOVERNO APÓS A MARCHA DOS SPFs:
 Na parte da tarde (22/07), em decorrência das proporções que a Marcha dos SPFs tomou, o governo recebeu um grupo de representantes das entidades. O SINASEFE esteve representado no espaço pelo coordenador geral de plantão, Carlos Magno Sampaio. A audiência foi com o assessor especial do ministro chefe da Secretaria Geral da Presidência, José Lopez Feijó. Começando as 15h30min no Palácio do Planalto, os trabalhadores relataram a disposição em negociar, porém reafirmando a negativa do movimento ao parcelamento em quatro anos e ao baixo índice proposto pelo MPOG em 25 de junho: 21,3% até 2019.
Feijó reconheceu que existem demandas do movimento que são essenciais às categorias, e que, como membro do governo e ex-sindicalista, reconhece a importância em mediar o contato dos SPFs com os ministros Miguel Rossetto e Nelson Barbosa (MPOG). Aguardamos, portanto, que o reflexo desta audiência se mostre positiva nas próximas reuniões negociais da nossa pauta de greve.

 PRÓXIMAS REUNIÕES COM O GOVERNO:
A continuação de agendas com o governo ainda não foi formalizada para o próximo período. No caso das reuniões passadas a convocação foi feita sem antecedência, o que dificulta a organização prévia de calendário pelo Comando Nacional de Greve. É a estratégia adotada pelo governo. Fiquemos vigilantes aguardando os próximos passos do governo!

QUADRO DA CONSTRUÇÃO DA GREVE:

NÚMEROS
16/7
17/7
18/7
20/7
24/7
ESTADOS
13
13
13
18
17
SEÇÕES
19
20
21
21
30
CÂMPUS/REITORIAS
94
87
92
108
146

sexta-feira, 24 de julho de 2015

Relatório da Reunião do SINASEFE com SRT-MPOG, MEC e FASUBRA

Aconteceu na tarde dessa quinta feira, 23 de julho de 2015, a primeira reunião do SINASEFE com o governo e a Fasubra para tratar de pontos da pauta específica dos TAE. A reunião iniciou com o secretário Sérgio Mendonça dizendo que tinha pouca perspectiva de que as negociações no âmbito do Fórum dos federais chegassem em algum lugar e que por conta disso estava reapresentando a proposta do reajuste parcelado a cada uma das entidades com quem tem se reunido. Destacou que é uma proposta defensável dada a conjuntura econômica em que vive o país, e que além dos valores já apresentados, a expectativa era de discutir pontos de pouco ou nenhum impacto financeiro.
Em seguida os representantes da SESU e SETEC fizeram uso da palavra dizendo no caso da SETEC que já haviam feito cinco reuniões com o SINASEFE e que consideravam produtivas as proposições a que se chegou até o momento, tais como: democratização, participação em programas de bolsa para pesquisa, dentre outros.
O SINASEFE iniciou sua intervenção fazendo um resgate da reunião anterior em que esteve ha mais de um mês com o secretário Sérgio Mendonça na qual por mais de duas horas apresentamos detalhadamente a pauta do SINASEFE e que a categoria tinha grande expectativa com essa mesa, já que em nossa avaliação, seria nela o espaço para discutir temas importantes para o segmento TAE, e que esperávamos haver alguma sinalização com respeito as demandas apresentadas anteriormente. Afirmamos que é nessa mesa que esperamos ver solucionadas questões como 30 horas, racionalização dos cargos do PCCTAE, progressão, realinhamento de tabela, mudança de piso e step, reabertura para migração dos servidores das Instituições militares no PCCTAE, RSC e vários outros pontos que obviamente não podiam ser tratados na mesa com todas as entidades.
Na sequência apresentamos o ponto sobre as 30 horas para todos os TAE, enfatizamos de que não avançaremos na negociação se o governo continuar achando sua proposta razoável e nós continuarmos dizendo que ela já foi rejeitada pela categoria, e que para haver um novo movimento seria importante que o governo sinalizasse com algo além do já apresentado. Lembramos que vivemos um bom momento para resolver a questão das 30 horas já que além de melhorar a qualidade de vida dos trabalhadores poderia ampliar o atendimento ao público dentro das Instituições, sem qualquer impacto financeiro. Exemplificamos que instituições da nossa rede que há muito tempo adotaram a jornada de 6 horas são as que hoje tem os melhores indicadores.
Entregamos aos representantes do governo nossa simulação de retomada da linearidade da tabela dos TAE, bem como a mudança de step, demonstrando que hoje temos um dos menores pisos do funcionalismo e que a relação piso teto que em 2005 era de 1 para 3 hoje se encontra de 1 para 7, que nesses 10 anos o piso passou de R$ 701 para R$ 1.197,00, que muitos TAE tem buscado concurso na condição de nível superior para fugir do achatamento causado principalmente a partir de 2008, no meio da tabela. Lembramos que consideramos nossas proposições de baixo impacto financeiro, uma vez que os salários são bastante baixos e que comparado com outras categorias se faz muito investindo-se pouco.
Retomando a palavra Sérgio Mendonça afirmou que o governo não pretende apresentar sua posição muito próximo ao dia 21 de agosto, para que as entidades tenham tempo de discutir as propostas. Disse estar disposto debatermos a exaustão a questão das 30 horas visando uma solução, com relação a questão de step disse que isso não é uma discussão descolada da conjuntura econômica do país, e que não vê condições dessa discussão. Fez uma fala de que não é possível que se pense uma previdência em que os aposentados tenham
ganhos reais, de que nem nesse e nem em governos futuro isso seria possível, que em sua avaliação deveria- se preservar o poder aquisitivo quando da aposentadoria. No que refere-se ao RSC para TAE, apesar de ainda não ter posição definida quanto ao tema, precisa dialogar com Fasubra e MEC sobre este ponto da pauta.
Por fim a Secretaria de Relações do Trabalho, na pessoa de Sergio Mendonça, assume o compromisso de marcar uma nova reunião para a próxima semana ou para semana seguinte objetivando retornar sobre os pontos apresentados e principalmente sobre a questão das 30 horas, uma vez que o Ministério da também editou portaria de número 260 na qual flexibilizou a jornada de trabalho de seus servidores.
24 de julho de 2015

Comando Nacional de Greve do SINASEFE

GREVE IFSUL - CALENDÁRIO DE MOBILIZAÇÃO

CALENDÁRIO DE MOBILIZAÇÃO
DIA
HORA
EVENTO
27/07  segunda-feira
14h
18h
Reunião no Câmpus Santana do Livramento                                                Reunião SPFs (local: ADUFPEL)

29/07 
quarta-feira
9h
12h
14h
Ato de mobilização no Câmpus Pelotas
Almoço CTG
Mateada

30/07
quinta-feira
9h
12h
Ato de mobilização no Câmpus CaVG
Almoço no Câmpus

31/07
sexta-feira
9h
12h
14h
Ato de mobilização na Reitoria/PROGEP
Almoço
Reunião Comando Local de Greve

03/08 segunda-feira
14h
Reunião Ampliada (local: ASUFPEL)
Campanha: Leve 1 kg de alimento não perecível
Caminhada "Doe Sangue pela Educação"


Dia é de intensa mobilização para o Comando Local de Greve

Após reunião na sede do Sindicato, grupo visitou o campus Visconde da Graça e conversou com o diretor sobre a mobilização A quinta-feira, 23, foi de intensa mobilização para o Comando Local de Greve do Sinasefe-IFSul. As atividades iniciaram pela manhã, na sede do Sindicato, com uma reunião conjunta entre o Comando de Greve e a Comissão de Ética, que debateu os primeiros dias da mobilização e organizou a agenda de atividades para a próxima semana. Ainda na parte da manhã, o grupo terminou a organização dos materiais de mobilização – bandeiras, faixas, camisetas e adesivo. No turno da tarde, parte do grupo visitou o campus Visconde da Graça, onde foi feita a visita aos setores e distribuição do material informativo sobre o movimento. Após visitar todos os setores, o Comando se reuniu com o diretor do campus, Álvaro Nebel, e discutiu a construção do movimento. Álvaro parabenizou o Sinasefe-IFSul pela construção do movimento e, a pedido do Sindicato, autorizou a colocação da faixa que indica a mobilização local em frente ao campus. Nesta sexta-feira, 24, a partir das 9 horas, o Comando de Greve estará visitando a reitoria, onde irá conversar sobre a construção do movimento local e as negociações nacionais com os servidores.

quarta-feira, 22 de julho de 2015

MPOG apresenta proposta para benefícios, mas condiciona à reposição parcelada de 21,3%


            Durante a rodada de negociação do dia 20 de julho, o Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão (MPOG) apresentou uma segunda proposta financeira para a Campanha Salarial Unificada 2015. A reunião teve a presença do Comando Nacional de Greve do Sinasefe de mais 26 entidades do Fórum dos SPF.

            A proposta mantém o índice de reposição salarial apresentado anteriormente – 21,3% parcelado em quatro anos – e que já havia sido rejeitada pelo Fórum dos SPF, com um pequeno acréscimo na pauta de benefícios. Segundo a proposta, a partir de 2016 o auxílio alimentação e saúde teriam um reajuste de 22,8% e o auxílio pré-escolar de 317% (este benefício não é reajustado há 10 anos). No entanto, a negociação dos benefícios foi condicionada à aceitação da proposta financeira de 21,3%, apenas com a possibilidade de revisão do acordo, caso a inflação supere a previsão do governo.

            Após esta reunião, o Fórum das Entidades Nacionais de SPF (Fonasef) se reuniu para uma avaliação preliminar da proposta. O grupo apontou a necessidade de levar o debate novamente para as bases para que possa ser levada uma posição para o governo. No entanto, as entidades entenderam que esta proposta não contempla as reivindicações do Fórum, afinal fica muito aquém dos patamares definidos pelas entidades que o compõem. Na avaliação de todos os presentes, a maioria dos pontos de pauta sequer foram respondidos, além disso, plurianual é rebaixada, não tendo a mínima possibilidade de ser aprovada pelos trabalhadores.





Sinasefe-IFSul visita o campus Camaquã.


  Na terça-feira, 21, representantes do Sinasefe-IFSul, acompanhados da assessoria jurídica do Sindicato, visitaram o campus do IFSul em Camaquã. O campus, que foi o primeiro a manifestar o total apoio para a construção do movimento grevista 2015, esclareceu dúvidas sobre a construção da greve e recebeu, ainda, materiais de apoio para divulgação do movimento.
     Em relação a construção do movimento paredista, os servidores questionaram sobre o funcionamento dos setores essenciais, a questão do ponto – que o Sindicato recomenda que não seja batido, mesmo por aqueles que estão trabalhando a serviço da Greve – e sobre a questão do assédio moral no período da Greve. Sobre corte de ponto e de salário, o Sindicato informou que, mesmo em períodos de forte pressão contra o movimento Sindical, onde as ameaças de cortes frequentes, nunca houve corte de salário de servidores em Greve.
     A reunião teve a presença dos coordenadores de ação do Sinasefe-IFSul, Maria Lúcia Monteiro e Rogério Guimarães, do representante dos TAEs do campus Visconde da Graça, Vitor Dias e do assessor jurídico do Sindicato, Henrique Giusti. O sindicato entregou, ainda, os materiais de apoio à greve, como cartilhas, adesivos e faixas. Após a reunião, os presentes fixaram a faixa de adesão ao movimento em frente ao campus.


segunda-feira, 20 de julho de 2015

Sinasefe-IFSul visita os campus Sapucaia do Sul e Charqueadas


No dia 16 de julho, representantes do Sinasefe-IFSul estiveram visitando os campus Charqueadas e Sapucaia do Sul. A convite dos servidores destes campus, o Sindicato respondeu os questionamentos  sobre o movimento nacional de Greve, o processo de adesão nas bases e distribuiu materiais de divulgação da campanha, para que os servidores possam ampliar a discussão com colegas e comunidade acadêmica.

Dentre os principais questionamentos, os servidores demonstraram bastante insegurança em relação ao direito dos sindicalizados de aderir ao movimento paredista aprovado em assembleia geral da seção. Foi esclarecido que todo servidor da base do Sinasefe-IFSul tem o direito de aderir ao movimento, uma vez que este foi aprovado em AG.

Sobre a necessidade de realizar assembleias locais para debater a adesão, foi esclarecido que estas reuniões tem como objetivo a construção de um consenso entre os servidores, mas que o movimento paredista já está em andamento e é um direito de todo o servidor, não podendo ser inviabilizado por assembleias locais.

O campus Charqueadas retornou recentemente para a Base do Sinasefe-IFSul, após o encerramento de sua seção própria. Já o campus Sapucaia possui, atualmente, uma seção que encontra-se inativa e se encaminha para retornar à base do Sindicato. A diretoria do Sinasefe-IFSul avalia um fortalecimento da base, que se encaminha para a unificação do Sindicato no âmbito no IFSul.

Novo Sistema de Cobrança da Unimed

O Sinasefe-IFSul informa que, a partir do mês de  agosto, os servidores que não trabalham com Banco do Brasil ou Caixa, deverão realizar o pagamento da Unimed através de boleto bancário.
Os boletos serão enviados pela Caixa Econômica Federal à casa dos servidores.
O vencimento será no segundo dia útil de cada mês.

domingo, 19 de julho de 2015

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Mais uma vez, o Governo Federal deixou, como única opção para os servidores públicos buscarem o atendimento de sua pauta de reivindicações, a greve.
Os Trabalhadores da Educação Federal, através do SINASEFE, ANDES e FASUBRA, deflagraram greve nacional.
O SINASEFE foi o último Sindicato a deflagrar greve, a partir de 13/7, em âmbito nacional, de acordo com aprovação na 132ª PLENA, realizada em Brasília-DF, nos dias 4 e 5/7.
A Seção Sindical IFSul, após ampla discussão da conjuntura e desdobramentos, decidiu em Assembléia Geral aderir ao movimento paredista a partir do dia 20/7.
Esta deflagração da categoria assegura o direito de fazerem a greve nacional e que os servidores técnicos-administrativos e docentes do IFSul estão plenamente amparados pela legislação vigente.
Por outro lado, cabe salientar que os servidores dos câmpus e reitoria podem e devem promover discussões permanentes, na forma de reuniões ou assembléias setoriais, sobre a conjuntura nacional e possíveis cenários de negociação do Governo Federal com o Sindicato. A gestão da Seção Sindical sempre buscou ampliar e estimular a participação da base, entendendo que os ambientes e instâncias democráticas devem ser construídas constantemente, pois a expansão da rede federal trouxe novas demandas ao Sindicato.
Concluindo, a Direção Executiva da Seção Sindical IFSul reafirma que todos os procedimentos adotados na dinâmica de assembleias e reuniões atendem orientações de instâncias superiores do SINASEFE.
Todos à greve! Todos à vitória!
Diretoria Executiva

SINASEFE – Seção Sindical IFSul.